Creio ser de conhecimento geral que também realizamos eventos, como seminários em locações externas (em geral em universidades ou em empresas) e cursos internos. Já percebemos há algum tempo, não maior que um ano, que a frequência desses treinamentos, sejam externos, internos ou até In Company, começa a ter um número crescente de jovens.

Também já há tempo que comentamos aqui nesse editorial sobre a educação técnica aos jovens no Brasil. Ok, ok, não estou falando do excelente serviço prestado pelos SENAI´s, FATEC´s e similares públicas ou privadas Brasil afora. Não criticando, mas sugerindo um empenho maior em difundirmos conhecimento técnico especial a esta parcela da população.

Neste sentido faço referência ao editorial americano que segue em paralelo ao meu nesta edição. E nele é comentado a atividade do FIERF - Forging Industry Educational and Research Foundation, uma organização que dá suporte à FIA, a Associação Americana da Industria do Forjamento. O assunto: o financiamento dado ao setor da forjaria nos EUA. Bolsas de estudo a jovens estudantes incluídas. Leia este editorial, vale a pena. Como diz na conclusão: a FIERF está intencionalmente reunindo parceiros de pesquisa e indústria para trabalharem juntos em soluções tecnológicas e questões de desenvolvimento da força de trabalho.

Oxalá encontre eco em nosso país, focando o setor do forjamento (entre inúmeros outros).

Enquanto escrevo estas linhas acontece na nossa empresa mais uma edição de um curso técnico específico realizado pela empresa parceira Aprenda Eventos, também conhecida como Grupo Aprenda. Nesse caso, curso de Tecnologia do Brunimento. Que se junta a inúmeros outros, de cunho técnico específico, que são realizados aqui: Retífica Centerless, TUS/SAT, Metalografia Analítica, Metalografia Prática, Teoria e Simulação de Processo de Estampagem, entre vários outros.

Não, não estou aproveitando esta coluna para fazer propaganda dos treinamentos internos realizados aqui. É que acabo de recepcionar os inscritos para este curso de Brunimento e outra vez tenho a satisfação de notar que os jovens são maioria. Formados como tecnólogos ou com ensino superior, eles são enviados por empresas a procura de suprir lacunas de conhecimento em seus quadros de funcionários.

Ávidos por conhecimento. Talvez esta seja a melhor definição desses jovens. Ainda sem apresentar os vícios do pessoal mais experiente, apresentam cedo currículos de vontade e determinação. Entenderam claramente o recado da determinação. É um prazer poder trabalhar com esse pessoal, aprendendo junto com eles a fazer deste mundo algo melhor.

Falando desta edição, que decidimos imprimir e distribuir nos dois eventos de destaque no mundo da forjaria nacional (e por que não dizer internacional?) que vão ser realizados ainda este ano no Brasil: SENAFOR e IV Seminário da Tecnologia do Forjamento.

Os artigos também foram escolhidos a dedo, veja o caso da planta fornecida pela Siempelkamp para a indústria aeronáutica, descrita no artigo “Inovações em Conformação Metálica na Siempelkamp”. Ou o artigo “Aquecimento Híbrido: Indução + Fornos a Gás vs. Forno a Gás + Indução”.

E temos a satisfação de publicar dois artigos de autoria brasileira: “Emprego da Teoria Elementar da Plasticidade para o Forjamento em Matriz Aberta de um Componente Cilíndrico Vazado - Parte I”, e “Viabilização Econômica no Forjamento com o Auxílio de Simulação - Parte III”.

Boa leitura!